Flávio Cruz

Esse estranho mundo...

Textos

Vicus37.png

A Mutação: VICUS37

Cynthia estava pensando no irmão, que não tinha respondido a nenhuma de suas últimas 12 chamadas, quando recebeu um alerta no seu comunicador de pulso. Deveria estar pronta em 48 minutos para ser recolhida pela equipe de saúde. Seria protegida por uma veste especial e removida para a estação ferroviária onde a colocariam num trem blindado.
O noticiário dos últimos dias tinha ficado cada vez mais assustador. O vírus VICUS37 tinha características aterrorizantes. A facilidade com que se propagava nunca tinha sido registrada na história da Medicina. O índice de mortalidade, apesar de todo o avanço da tecnologia médica, era inédito. Embora estivesse claro que não era uma arma biológica, era como se o VICUS37 tivesse engendrado um plano diabólico para derrotar a civilização do ano 2037. Provavelmente uma mutação sinistra do famoso COVID 19 de 17 anos atrás.
Naquele dia, logo de manhã, Cynthia sentiu algo diferente na comunicação oficial. O foco do Departamento de Saúde tinha mudado. Não estavam mais transferindo pessoas contaminadas para os grandes centros de recuperação. Agora as equipes de resgate estavam levando as pessoas imunes e sãs para locais onde elas ficassem isoladas e pudessem ser preservadas. Ou seja, e isto era tenebroso, estavam desistindo de salvar as pessoas contaminadas, pois o índice de recuperação era muito baixo. Estavam tentando salvar quem ainda tinha alguma chance. O que estava acontecendo em nações mais pobres nem aparecia mais no noticiário. Era apocalíptico. Tudo isso passava como um filme de terror na cabeça de Cynthia, quando ela escutou o ruído da equipe de resgate que chegava. Tiraram a pequena valise que tinha na sua mão e a puseram de volta no sofá. Não era possível levar nada, disseram através da máscara especial que usavam. A seguir, revestiram-na primeiro com um tecido especial e depois fizeram com que ela entrasse num uniforme amarelo escuro. Como se ela fosse uma astronauta, colocaram um estranho capacete em sua cabeça. Percebeu que era pressurizado. Foi conduzida, então, para um veículo blindado, onde estavam mais três pessoas vestidas como ela.
Em 13 minutos chegaram à estação. Um túnel de plástico havia sido montado de forma que os 4 ocupantes pudessem caminhar até o último vagão do trem sem nenhum contacto com o ar exterior. A porta foi fechada e o trem começou a andar. Cynthia conhecia a rota do trem. No painel havia a indicação de quantos passageiros seriam recolhidos na próxima estação: 9. Provavelmente seriam colocados em outro vagão. Dava para ver que as portas, além de terem sido fechadas hermeticamente, estavam protegidas por uma espécie de fita que acompanhava todo seu contorno. As outras estações tinham também indicações da quantidade de pessoas a serem resgatadas: de 5 a 12 cada uma. Aquilo preocupou profundamente Cynthia. O que aquilo queria dizer? Que aquela quantidade de pessoas era o total de sobreviventes? Não podia ser. Por uma associação de ideias, lembrou-se do irmão. Pensou em dialogar com os outros do vagão e percebeu que era impossível.
Com tanta agitação em sua cabeça, não percebeu que o trem não tinha parado na estação seguinte. Olhou para o painel e verificou que no lugar do número 9 havia uma palavra: ERROR. O que significava aquilo? E ficou atenta para a parada seguinte. A velocidade não diminuiu e passaram direto. De novo, o número foi substituído por “ERROR”.
Cynthia estava entrando em pânico e estava desesperada para saber o que estava acontecendo. Foi então que percebeu que mais ar estava sendo injetado em seu capacete. Logo descobriu que, na verdade, era algum tipo de sonífero. Em segundos entrou em sono profundo.
Cynthia não sabia quanto tempo havia passado quando acordou. Percebeu, no entanto, que tudo estava muito diferente. O trem tinha parado em algum ponto que era entre estações. Agora, no entanto, ela conseguia ouvir vozes. Eram os outros passageiros conversando. Não entendia direito o que diziam, mas ficou claro que tinha havido algum tipo de contaminação. Havia mortos no vagão. O trem tinha sido abandonado. Pelo jeito que falavam dela, estavam considerando que estava morta também. É verdade que ela não estava conseguindo se mover e sentia seu corpo fervendo. Os olhos estavam ardendo e sua cabeça estava começando a doer muito.
Era óbvio que ela estava com o vírus. Tinha ouvido sobre aqueles sintomas inúmeras vezes. Ainda conseguiu ouvir mais um pouco as duas pessoas que estavam conversando perto dela. Eles eram os últimos. Todos haviam morrido no vagão, o trem tinha sido abandonado pela equipe de resgate. Ou talvez eles estivessem mortos também.  E aqueles dois... era óbvio que estavam igualmente contaminados. Talvez fossem mais fortes que ela e aguentassem mais algumas horas. Não muitas, entretanto. Ela sabia que, entre aparecerem os primeiros sintomas e a pessoa infectada morrer, havia um período de no máximo dez horas.

Foi o último pensamento de Cynthia. Antes de seu coração parar ainda pensou mais uma vez em Bem, seu irmão... Sabia, o tempo inteiro, que ele estava morto há muito tempo, vítima daquele horrível VICUS37. Ela só não queria acreditar...



ooooo000O000ooooo

Clique aqui:

Video Trailer: À procura de Lucas

 À  procura de Lucas


Para adquirir este livro no Brasil 

Clique aqui  ( e-book: R$ 7,32 / impresso: R$ 27,47)

Para adquirir este livro nos Estados Unidos 




Capa%2BA%2BPROCURA%2BDE%2BLUCAS%2BCA.jpg
Flávio Cruz
Enviado por Flávio Cruz em 20/04/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras