Flávio Cruz

Esse estranho mundo...

Textos

O Monólogo do Astronauta

-          Eu estava bem há uma semana atrás, Greg. Fiquei hibernando quase dez anos e quando voltei, achei o máximo. Foi muito bom voltar. Mas agora estamos nessa área do espaço onde nada acontece, eu acho tudo muito monótono. Você já me aconselhou a ir até a sala de entretenimento. E eu fui, Greg. Várias vezes. Mas sabe, para um cientista como eu, é um absurdo me divertir com as coisas que estão lá. Ainda assim, eu vou. Mas sobra muito tempo, Greg. Muito tempo. Você não tem esse problema, não é mesmo Greg? Não está no seu DNA, certo? Calma, só estou brincando... Às vezes, eu penso, seria bom ser como você. Sempre bem, sem problemas, sem chateação.
                           -----------------

Greg permaneceu inalterado, insensível. As lamentações de Glenn não o comoviam. Talvez estivesse ocupado com coisas muito mais importantes...
                          ------------------

-          Antes dessa última hibernação as coisas eram fantásticas. Todo dia acontecia algo diferente, alguma coisa especial. Aposto que até você se entusiasmava. Era tudo muito excitante, mesmo para nós cientistas. Às vezes fico pensando se não teria sido melhor ter ficado na Terra ou mesmo em Marte.  O setor de exploração fixa é muito interessante. Eu devia saber. Eu sabia que meu “reavivamento” iria ocorrer nessa região do espaço, no meio do nada, nada literalmente, nada visualmente...Greg, estava pensando...  Talvez pudéssemos falar sobre essa nova teoria do “superposição dos estratos temporais”, que esses cientistas neo-quânticos estão anunciando. Eles são demais, não são? Mesmo você, Greg, que é superavançado, deve estar excitado com a ideia. Quem diria, hein? Todo mundo pensava que tínhamos todos os lados da equação com referência ao tempo e eles vêm com essa história. Eu não sei porque eles escolheram o termo “temporais”... Todo mundo sabe que envolve espaço também. Acho que deveria ser “espaço-temporais”. Eu sei que o nome não importa, o que importa é o novo conceito. O que você acha, Greg? É uma coisa espetacular, não é? Acho que vai mudar o jeito que viajamos no espaço para sempre... Você não acha? Quem poderia imaginar uma coisa dessas?  Fico pensando como aquele homem que pisou pela primeira vez na Lua, reagiria. Ele tinha o meu nome, Glenn? Não? Claro que não, agora me lembro, era Armstrong. Gostaria de ver a cara dele.  Acho que ele não iria entender nada do que a gente está falando. Até para a gente é difícil. Até você, Greg, que considero o máximo em inteligência, tem uma certa dificuldade em entender. Não quero que você fique ofendido. Você não tem culpa. Faltam dados... Ninguém tinha esses dados quando você começou a existir.


O+monologo.png


Greg, por que você continua quieto?
-          Não é mesmo, Greg? Ei, Greg, como você acha que vai ficar a exploração do espaço agora? Vai mudar tudo, não vai? Esse tipo de viagem que estamos fazendo não vai fazer mais sentido. Mas nós ainda seremos úteis, Greg. Eu e você. Pode apostar.
                      ------------------------

Um suave alarme soou interrompendo Glenn. Era o Greg. Como computador mestre da viagem, ele estava ordenando a Glenn que voltasse para seus aposentos. Ele precisava descansar. E Glenn sabia que tinha de obedecer, senão... Glenn falou “ até logo”  para Greg e se recolheu. No corredor até sua cabine ficou pensando.

                       -----------------------
Talvez o Greg tivesse ficado chateado com essa história de ele não ser mais necessário nas futuras empreitadas da exploração espacial. Talvez ele nem acreditasse que isso pudesse acontecer. Ele era uma máquina, talvez conseguisse “sublimar” essas coisas de alguma forma. Ou será que o Greg estava achando sua conversa enfadonha e estava se livrando dele tocando aquele alarme? Nunca se sabe, esses computadores são muito sensíveis, às vezes até mais do que os humanos. Caramba, como alguém pode achar “superposição dos estratos temporais” uma coisa chata? Vai mudar tudo. Glenn suspirou antes de entrar em sua cabine:

-  Às vezes eu não entendo o Greg. Afinal de contas, não é fácil passar o tempo por aqui. Ele, mais do que ninguém, deveria saber disso.
       Justo ele que nem faz hibernação, fica acordado o tempo inteiro! Às vezes não consigo entender o Greg...
Flávio Cruz
Enviado por Flávio Cruz em 24/06/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras